quinta-feira, 27 de abril de 2017

O FULGOR DO PORVIR





Nem o mar sabia
entardecer
numa folha de papel

esculpir em síntese
a tua nudez

nem o mar sabia responder
a tanto azul
nem eu sabia que tardavas
mas chegavas
chegavas chegavas
nunca mais acabavas de chegar
a tempo de plantar
uma árvore
que se desnudasse
folha a folha

nem tu sabias senhora
neste deserto
a sede do entardecer

o fulgor do porvir

Eufrázio Filipe
(a publicar na próxima colectânea)


sexta-feira, 21 de abril de 2017

INACABADA FLOR DE ABRIL






Hoje vi com os meus olhos
uma santa mulher
asfixiar um pássaro
nas mãos
só para desenhar no chão
a dor que sentimos

chamei-a
para deixar nas areias
um beijo côncavo
até a memória arder
os últimos barcos
e as algas discernirem
de olhos abertos
todos os ritmos das marés

chamei-a
para esgrimir contra
a invenção dos destinos
erguer o seu corpo
recolher todos os grânulos disponíveis 

Hoje vi uma mulher amada
esculpida na praia
a despontar nas areias

inacabada flor de Abril

Eufrázio Filipe
(poema a incluir na próxima colectânea)



quarta-feira, 12 de abril de 2017

ACORDES DO MAIO






No limiar dos silêncios
onde o rio corre manso
desvendámos o futuro
a meio da ponte
a jangada que nos move
por sobre as águas

ali mesmo
mãos nas mãos
em pleno voo
crescemos juntos

os cravos vermelhos
começaram a despontar
acordes do Maio
os meus lábios nos teus

eufrázio filipe

quinta-feira, 6 de abril de 2017

NOS LÁBIOS DO VENTO






Quando abrimos as janelas
o mar estava de feição
corria-nos as veias
a falar por gestos
convergia
em quase todas as falas
e as flores despontavam
às mãos cheias
nos lábios do vento

Eufrázio Filipe

quinta-feira, 30 de março de 2017

À PERGUNTA DE OUTROS MARES




Quando foi urgente criar um deus
as uvas ainda não estavam maduras
no corpo das videiras

inocente subiste ao púlpito
das vinhas decepadas

improvisaste um sermão
ergueste o cálice
e a companha exausta aprendeu
que nada é perfeitamente inútil

após as vindimas
bebemos do mesmo vinho

foi quando enfunaste as velas
começaste a despontar relâmpagos
nos mastros mais altos

 afloraste o chão com um beijo
partiste sem destino
por sobre as águas revoltas

à pergunta de outros mares


Eufrázio Filipe
"Chão de Claridades" editora Lua de Marfim